Reflexão para Líderes Cristãos: Criando filhos fora da igreja


Amor de mãe e decisões corretas.

Meu marido e eu paramos de ir à igreja depois que terminamos o Ensino Médio. Eu explorei várias religiões e agora, como adultos, estamos confortáveis com nossos sistemas de crenças pessoais e não pensamos em voltar à igreja, qualquer igreja. Eu diria que somos agnósticos. Então decidimos criar nossa filha (1 ano de idade) de um modo que fizesse senso para nós. Nós ajudaremos ela a explorar seus sentimentos sobre isso. Se ela desejar se tornar uma católica ou qualquer outra opção espiritual que apareça em sua vida, eu a apoiarei”. Este é o post em um blog, de autoria de uma jovem mãe (pela sua foto) a respeito de sua filha. Leia mais e veja por que você deve pensar bem antes de agir igual a ela.

Continua a jovem mãe: “Eu e meu marido aproveitamos algo de nossa presença na igreja. Nós desenvolvemos um bom comportamento moral que nos ajudou a evitar ser bêbados de festas ou adolescentes malucos e promíscuos (palavras dela) e eu gosto como isso nos serviu de base para sermos adultos…eu quero que nossa filha cresça com valores similares mas a verdade é que eu acho que podemos fazer isso sem a ajuda de Deus”.

Esse post é louvável por sua transparência ao de expor seus pontos de vista livremente. Como é ótimo viver numa sociedade democrática, principalmente quanto vemos como nossos irmãos cristãos sofrem diariamente nos países muçulmanos onde vivem. Ao mesmo tempo mostra qual é o raciocínio de uma grande parte dos jovens adultos.

Analisando com cuidado as ideias dessa jovem mãe, e que Deus a abençoe e guie sua vida, notamos certo padrão de comportamento que é comum entre os jovens casais. Eu mesmo passei por essa ingênua pretensão e creio que muitos dos que me leem agora também pensaram assim.

Somos donos das nossas vidas!

Na maioria das vezes, a entrada na vida de adulto é maravilhosa. Começamos a trabalhar, às vezes casamos cedo e logo vêm filhos. E temos uma vida pela frente cheia de boas expectativas e com a qual pensamos ter o poder de organizar em detalhes e controlar tudo.

O ser humano na maioria das vezes adora organização. Eu sou meio desorganizado. Na verdade minha esposa me diz que sou muito desorganizado! Mas mesmo eu sendo um terror de organização, tenho que aceitar que essa mesma organização está em tudo nas nossas vidas: em casa, no trabalho, nos relacionamentos com os amigos.

Temos horário para tudo: para diversão, praticar esporte ou cuidar da nossa higiene pessoal, hora para trabalhar, para estudar e para alguns também a hora de orar para Deus…
Nossas vidas se desenvolvem em torno de núcleos sociais organizados: nossa família, parentes, amigos, colegas de trabalho. Ganhamos nossos primeiros salários, passamos a pagar pelo nosso sustento, temos um belo horizonte para crescer no trabalho. Tudo muito organizadinho, confortável e controlável, certo?

Além disso, agora que somos adultos pagamos nossas contas de luz e água, nossa alimentação, nossa moradia e a escola de nossos filhos, nos sentimos donos de nossos destinos. Não precisamos de Deus, podemos fazer tudo sozinhos. Posso até educar espiritualmente minha filhinha de um ano, sem a ajuda de Deus.

Somos donos das nossas vidas?

Eu e você que lê este artigo, sabemos que não é bem assim! A teoria seria certa se funcionasse na prática do nosso dia a dia. Leiam agora um post que foi escrito em resposta ao da jovem mãe:

Sua filha ESTÁ indo à igreja. Talvez não seja a igreja que você deseje. Ela está indo para a igreja da TV, a igreja da propaganda, a igreja da escola pública, a igreja ‘do mundo’. Sua ‘igreja do seu lar’ é nada comparado com essas outras igrejas. ‘Mamãe e papai não sabem de nada. Eles são TÃO caretas’. Lembra quando você pensou isso de seus pais? Bem, sua filha provavelmente pensará o mesmo de você e seus valores. Se pensa que sua casa é o único lugar onde ela vai aprender algo, então você está enganada. Sim, estou falando de experiência própria…”

Continua o testemunho: “Quando eu era criança, eu ia à igreja com meus pais e deixei de ir durante o Ensino Médio (notem o padrão que se repete). Eu passei a me considerar um ‘intelectual agnóstico’, isso soa suuuper chique, não é? Eu casei e criei filhos sem o benefício de uma boa comunidade da igreja cristã. Eu sofri as consequências quando minhas crianças resolveram andar junto com a turma errada, abandonaram a escola e um deles acabou na cadeia por cometer homicídio. Ele ainda está cumprindo a pena, mas conseguiu encontrar Jesus na cadeia. O outro está trabalhando num emprego de baixa qualificação e tomou algumas decisões que estão complicando sua vida.

Eles não aprenderam a fazer tudo isso seguindo nosso exemplo (de pais) nem nossos conselhos. Eles aprenderam isso ‘no mundo’. Os (bons) exemplos que demos em casa não foram suficientes para superar a força do mau exemplo ‘do mundo’.

Nós finalmente começamos a ir à igreja cristã de novo, buscamos e encontramos uma boa igreja sem histerias, hipocrisias ou fanatismos. Acredite: elas existem e são muitas. Mas agora nós vivemos com o sentimento de culpa de ter feito más escolhas para nossos filhos quando eles eram crianças. Infelizmente, não podemos voltar atrás e desfazer esses erros e esse sentimento nos perseguirá o resto de nossas vidas. Eu espero que você tenha melhor sorte com seu programa (de educação espiritual de sua filha). Lembre-se, você tem apenas um tiro na sua arma, você não pode voltar atrás para refazer (o que errou).”

É a voz da experiência, do sofrimento e da maturidade em Cristo. Nas nossas vidas, muitas vezes não temos segundas chances. Principalmente com nossos filhos. E depois, infelizmente, pode ser muito tarde para se arrepender embora Deus em sua grandeza tudo possa para nos ajudar.

Lição número 1: não se iluda que pode controlar sozinho tua vida

Quem de nós não passou por dificuldades, por situações constrangedoras, por crises familiares de maior ou menor tamanho…quem entre nós não teve discussões com nossos cônjuges, com nossos filhos e amigos muito queridos também?

Quantos de nós não vimos colegas, amigos e parentes passando por situações nas quais a única solução foi entregar tudo nas mãos de Deus? Na hora “H” quando vemos que somos incapazes de controlar uma situação, subitamente lembramos daquele grande esquecido chamado “Deus”.

Quem de nós não passou por dificuldades no trabalho ou mesmo a perda de nossa fonte de renda…ao contrário da jovem mãe que escreveu o post, nós todos sabemos que às vezes nossas vidas podem ser um verdadeiro caos.

Nesses momentos de caos, de confusão e às vezes sofrimento, necessitamos de uma âncora para a segurança do nosso barco em mares agitados. Essa âncora se chama Deus. Foi essa âncora para a qual voltou o casal mais experiente. Se pudéssemos contatar essa jovem mãe daqui a quinze anos com sua filha já adolescente, depois que as experiências da vida mostrassem a ela como tudo pode ser tão frágil e passageiro…grandes são as chances que ela reescreveria o texto de seu blog agarrada com unhas e dentes nessa maravilhosa âncora chamada Deus.

Lição número 2: para que agir como um bumerangue

Você não precisa fazer como ela ou como eu e dar aquela clássica ida e volta na sua vida. Não decida sair da igreja de Deus para que depois Ele gentilmente faça você voltar para os braços d’Ele daqui a um, cinco, dez ou vinte anos. Bem…às vezes não tão gentilmente, como no caso do filho do casal mais experiente que através de seu crime encontrou Jesus e fez seus pais voltarem para Deus. Deus foi severo, mas Ele tem seus motivos que muitas vezes fogem de nossa compreensão.

Melhor do que fazer tudo sozinho é fazer as coisas junto com um Amigão ao teu lado e Deus certamente é esse amigo que está e vai te ajudar na tua vida. Ele é tua estabilidade espiritual.

Lição número 3: não lute em duas frentes ao mesmo tempo

Lutar em duas frentes é receita quase certa para a derrota. Seja objetivo: continue na sua fé em Deus agora mesmo e poupe anos de experiências que não levam a nada, exceto à conclusão de que não deveríamos lá atrás ter deixado de crer n’Ele!

Foi o caso de muita gente, inclusive eu e o casal mais experiente acima e quantos outros casos você já deve ter ouvido falar! No meu caso, Deus foi menos severo mas andei levando uns puxões de orelha d’Ele até acordar e abrir os olhos e ouvidos para sua maravilhosa palavra.

Reflita. Pense como a ausência de Deus e o consequente enfraquecimento espiritual e moral resultou no sofrimento por causa das decisões erradas dos filhos deve ter afetado para pior o padrão de vida, o desenvolvimento profissional e o ambiente familiar deles.

Não seja bobo: não tente lutar em duas frentes de batalha ao mesmo tempo! Continuando agora mesmo forte na tua fé em Deus e participando da sua congregação, igreja ou culto cristão você estará diariamente fortalecendo seu lado espiritual através da prática da fé em Cristo.

Com seu lado espiritual equilibrado, você terá muito mais forças para concentrar muito melhor seus esforços no seu desenvolvimento familiar, educacional, profissional e na vida.

Lição número 4: invista no seu desenvolvimento espiritual e de seus filhos

Falando em desenvolvimento espiritual: um ponto importante que a jovem mãe não captou ainda e que quase ninguém aborda em suas considerações e posts de resposta no blog dela, é o ponto espiritual.

Todos sabemos que além do nosso corpo, temos também nosso espírito. É nosso espírito que nos faz sermos o que somos. Sem nosso espírito, nosso corpo morre e se desfaz em pó. Nosso espírito nunca morre. Nosso corpo sim, ele morre e se transforma em nada. Nosso espírito não se transforma em nada, ele continua.

Para aqueles que acreditam em Deus, sabem que é através do nosso espírito que Ele se comunica conosco. Deus raramente fala ao nosso ouvido físico, embora possa fazer isso – o apóstolo Paulo e seus colegas de viagem na estrada para Damasco que o digam! Normalmente Deus fala para nossa mente, nosso ‘eu’ interior, Ele toca amorosamente nossas consciências. O nosso espírito é nossa preciosa linha telefônica com Deus.

Vejam como nosso espírito é importante e de grande valor. Se tem grande valor, devemos cuidar dele muito bem! E onde vamos encontrar educação para o nosso espírito e o de nossos filhos? Nas escolas? Nas universidades? Nos cursos de MBA, nas creches… lendo jornal, jogando futebol na rua ou videogame no quarto, vendo televisão ou bebendo cerveja no bar da esquina?

Embora Deus seja tão grande que pode fazer que O encontremos até nos lugares mais inesperados, é muito mais provável e fácil encontrar Deus na igreja, nas congregações, nos cultos, nas comunidades cristãs. Cristo mesmo nos disse que a Igreja é o corpo de Deus na terra.

Quando você torce sozinho pelo seu time de futebol, é bom. Quando torce junto com seus amigos, é melhor. Quanto vai no estádio e milhares de pessoas torcem pelo seu time junto com você, é uma sensação indescritível não é? A união, as emoções boas, a alegria de falar com gente que entende você e pensa de modo similar…

Você pode querer fazer do jeito mais difícil e tentar fortalecer seu vínculo espiritual com Deus remando um barco sozinho no meio do oceano e pode ser que O encontre! Pode colocar sua família no seu barco, é um pouco melhor mas ainda muito isolado. É muito mais fácil seguir o que Jesus nos indicou: procure desenvolver seu vínculo espiritual com Deus juntando-se a outros cristãos na Igreja, nos cultos e congregações. E leve seus filhos junto para se beneficiarem disso.

Lição número 5: liberdade que limita, não é liberdade verdadeira

Por isso criar um filho fora da igreja, como quer a jovem mãe, não é algo libertador como ela pensa mas é algo limitador para uma criança. Por que nega à criança desde pequena não apenas a educação ética e moral cristã a qual a jovem mãe até elogia.

Nega algo muitíssimo mais importante: o desenvolvimento da conexão do espírito dessa criança com Deus. Sim, por que se precisamos treinar para um esporte, estudar para um diploma e trabalhar para crescer profissionalmente, precisamos também treinar nosso espírito frequentemente para que ele evolua na sua integração com nosso Pai todo poderoso.

Quem estuda e aprende matemática mas depois passa anos sem estudar, esquece tudo. O mesmo com nosso espírito! O treinamento dele tem que ser frequente para que se fortaleça sempre, ou nosso espírito se atrofia. E nosso contato com Deus enfraquece e sofreremos na vida as consequências disso.

Quem treina o corpo, a mente mas não treina o espírito fica desequilibrado na vida.

Lição número 6: mentes e espíritos desocupados são ruins para a criança

Então vejam que enquanto a preocupação da jovem mãe é que sua filha tenha um bom ensino de ética e moral que ela teve na igreja, nós dizemos que ainda infinitamente mais importante é permitir a essa criança o direito inalienável de poder desenvolver os vínculos de seu espírito com Deus.

Minha vó e a vó da minha vó já falavam: “criança desocupada dá problema”. Todo mundo sabe disso. Por isso ocupamos nossos filhos com o estudo escolar, a prática de esportes…mas nossas vós e poucos de nós temos a consciência que um espírito desocupado é a mesma coisa: ele fica presa fácil de más influências. Quando descobrimos isso, muitas vezes já é tarde e o trabalho de recuperação de nossos filhos fica muito mais difícil e sofrido, como no caso do casal mais experiente acima.

Para que correr risco? Deixe o espírito de seu filho ocupado com Deus, faça seu filho participar de uma coumunidade, congregação, igreja, culto cristão. Participe junto e você e sua família estarão equilibrados e fortes na fé em Cristo para viver com alegria.

Que resultados buscamos? Filhos equilibrados e completos.

E aquele ser humano, seja criança, jovem ou adulto, que absorveu comportamentos éticos e morais na igreja e cujo espírito tem forte ligação com Deus… tenham certeza: esse é um ser humano equilibrado em sua vida, no trabalho, na família e na palavra de Deus. É um ser humano completo. Tenho certeza que você conhece várias dessas pessoas.

Todos nós queremos o melhor para nossos filhos. Para que sejam completos e equilibrados, precisam ser educados para a sociedade humana… mas também que tenham seus espíritos educados para o vínculo com Deus que lhes trará o equilíbrio necessário para vencer os desafios da vida. Estando seus espíritos ocupados com Deus, não haverá espaço nem tempo de que sofram más influências.

Deus não somente nos dá equilíbrio. Ele nos dá energia também. Convido vocês a lerem um outro artigo a esse respeito:
O Apagão Espiritual

Mais artigos da série Reflexão para Pastores, aqui.

Share

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: